Plano Inclinado

100111010

Preview – Monaco GP

Retina Display Math – Why Apple doesn’t need 2X displays on the Mac

With the recent release of the New iPad, there as been a lot of talk about retina displays.

What Apple calls a retina display, its a display where you a can’t see individual pixels at its optimum viewing distance, even if you have perfect vision. It’s not a simple metric as PPI (pixels per inch). For example, the iPhone 4 and 4S’s displays have 326ppi, and on the new iPad there are 264ppi, and they both qualify as retina displays.

After reading this post by Ars Technica, where they found 2X graphics on a developer build of OSX Mountain Lion, i started to think why, or if,  Apple needed 2X graphics. On iOS, the reason is simple.

With screen real estate being very, very limited they want apps build with 1X resolution to work on a 2X display and vice versa. If you have 1X graphics, 1 pixel of your artwork will fit in 4 pixels of a 2X display and you don’t need to do anything for it to work.

But perhaps the most important reason is: Every app is a full screen app. Therefore every app uses the same number of pixels, and there are only 4 different resolutions on iOS devices: 1X and 2X resolutions on iPad, iPhone and iPod touches. But that is not true on OSX!

In fact, OSX will deal with any screen resolution you want, and therefore each app needs a different amount of screen real estate. This is the reason Apple doesn’t need to make every mac screen with 4X the amount of pixels they have now.

And what amount of pixels will be needed, you ask? Well, i’ve done some math.

Here is the size and number of pixels on the iPad and the iPhone. Data from the Apple technical sheet.

First lets calculate the physical size of each pixel:

So an iPhone pixel is 0,0030674 inches wide, and an iPad pixel is 0,003787878 inches wide (all pixels are square, of course).

Now, we need to compute the minimum size of a pixel a Mac Retina display needs to have, in order to qualify for such a name. According to Apple the normal distance for use of an iPhone is 10 inches away from your eyes, and 15 for the iPad. I assumed a distance of 27 inches from your face to your mac display as i’m right now in front of a 2009 13″ MBP. Therefore:

with X being the iPhone pixel size and Y the iPad’s, what is Z? There were a number of ways to compute Z, but i choosed to do it by computing the angle θ.

Now we know that a single pixel can’t be bigger than 0,0055170252 inches wide for a Mac display to qualify as a Retina display.

And that means a display needs to have a pixels density of 182 PPI.

Currently the densest display on Apple’s offering is that of the 11″ MacBook Air with 135ppi, and a resolution of 1366×768. A 2X display would have a resolution of 2732×1536 and a density of 270 ppi. Way more than what is need!

According to my calculations a screen with 1744×982 would be enough! I would like to do the same math for the 27″ displays they offer, but i don’t have one to estimate the viewing distance. If you can help me with that number, please drop me a line on twitter.

Conclusion

On iOS it made sense for Apple to double the screen in both directions, but they dont need to do it for the mac. I think if they can save money on pixels they will, but only if they can get away with calling it a retina display. On the last iPad event they felt the need to reinforce the metric they use to name a Retina Display, and it makes sense reinforcing it if they plan to make Macs with retina displays, but want to save money on pixels. And i don’t think they break any interface design by doing this.

π

Review do Novo iPad

I guess it’s just like a pre-glasses world — you never realize how blurry things are because that’s just how you’ve always seen everything. And then you put the glasses on and you wonder how you ever managed without them.

Via, Tech Crunch, MG Siegler

Mudança de paradigma

O iPhone não foi o primeiro dispositivo portátil com um ecrã sensivel ao toque. Muito antes disso existiam telemóveis e PDA’s de outras marcas, principalmente a correrem uma qualquer versão de Windows Mobile. E o mesmo pode ser dito para os tablets. No entanto foram estes gadgets da Apple os primeiros a terem um sucesso considerável. Porquê?

Até 2007 todos os ecrãs tacteis eram manipulados com uma caneta, e necessitavam de uma precisão de 1×1 pixel, tal como os nossos computadores tradicionais hoje em dia, que necessitam de um rato na sua interface, também com precisão de 1×1 pixeis. Era fácil para os designers de interface da altura transportarem os conceitos já bem antigos para os telemóveis e PDA’s, e foi isto que toda a gente fazia até à chegada do iPhone.

A grande novidade conceptual que o iPhone introduziu foi a noção de que os elementos visíveis no ecrã devem ter um tamanho fisico equivalente ao tamanho de um dedo e não de um pixel. Partindo desse conceito toda a experiência de utilização é mais agradável, comparando com um telemovel com touchscreen tradicional, ou pre-2007.

A excelente experiência de utilização do iPhone é na minha opinião aquilo que deu inicio à bola de neve no que toca à sua popularidade. Esta experiência de utilização não advém unica e exclusivamente desta decisão de design inicial, muitas outras contribuíram para o sucesso da plataforma, mas é das mais importantes e foi esta que criou a disrupção a que se assistiu no mercado dos telemóveis.

π

Fibra de Carbono, Episodio 1

Já está disponivel o primeiro episódio do Fibra de Carbono.

Neste primeiro episodio eu e o Paulo discutimos muitos assuntos, e bem variados. Da Indy a F1, passando pelo WRC. Falamos de vários pilotos: Raikkonen, Hulkenber e Barrichelo e ainda o estado das duas equipas da cauda do pelotão, entre outros.

Para ouvir, basta aceder à página do Fibra de Carbono.

π

App Review – Pocket Casts

I’ve been listening to podcasts for years now. I would download them from iTunes and sync them to my iPod Classic. Worked fine and it was a perfectly reasonable workflow 3 or 4 years ago. But now with this new internet connected devices it seems strange to connect it to the computer to import new podcasts. This is where pocket casts plays its part.

The first thing you’ll notice when you open the app is how well it is designed.

The look of things, buttons placement and interface design is very well tough out. It’s pretty obvious it is design by some one who listens to podcasts(my favorite kind of developer is the one who uses he’s own app), and there is a lot of effort in it.

  

As you can see, there are a lot of details in the artwork, and the animations are fluid and pleasant(click on the images to see them at full resolution).

Features

You can stream your podcasts, and download them right there(you can even download 2 episodes at a time) an it as an option to prevent downloads over 3G. Great if you are on a limited data plan as i am.

The developer servers are monitoring your feeds so you dont have to, and you’ll get a push notification when a new episode is available, thats very nice to keep you up to date.

Great Details

There are some details in this app that make it even better.

    • You can advance 30 sec forward or 10 sec back on the playback screen with just a tap on the side, or use double-click and triple-click respectively on your earphones;
    • As soon as you finish an episode, you can set it to delete automatically;
    • Podcast info is editable, if you like to personalize things;
    • You can download video podcasts, and have them play only the audio. Great if you dont want to miss anything happening in the studio but you manly listen to audio;

What i dont like about it

When hit play on a video podcast, and then switch to the audio only mode, there is a gap of ~1 or 2 sec when there is no audio, and when i leave the app or put he phone to sleep, there is another gap of more or less the same length. I’m not sure if its an app thing, an iOS5 thing or an iPhone 4 thing but it happens and it annoys me a little. Nevertheless, the app is so good that i stopped downloading video episodes instead of not using the app. It’s a minor con an i dont think most people will mind.

Another good reason to buy it

The developers of the app, shifty Jelly, seem very committed to its continued development. They are not afraid of rewriting the entire app if it makes it better, and push updates reasonably frequently. And they really listen to customer feedback.

A while back, i was downloading a bunch of episodes (~500Mb worth of it), lost the wifi connection and my iPhone switched to the 3G connection. It got trough my 300Mb data cap in a blink of an eye. I emailed the developers asking for the “block 3G downloads” feature and got a very quick email saying they would consider it in a next update. There is no reason to believe i was the only one with the same request but, sure enough, on the next update there it was! This is the kind of customer satisfaction i would like to feel with every product i buy.

At 1,59€ ($1,99)? No brainer.

Steve Jobs, Bernie Ecclestone e Jack Dorsey

Qualquer pessoa que não tenha passado a última semana debaixo de um calhau, sabe que o fundador da Apple – Steve Jobs – renunciou ao cargo de CEO.

Steve Jobs - ex-CEO da Apple

Muita gente sabe também, que ele tem vivido desde 2004 com vários problemas de saúde. Um cancro no pancreas, uma deficiência hormonal e mais recentemente um transplante de fígado. Tem perdido peso a olhos vistos o que – embora eu não seja médico – não me parece bom sinal.

Assim sendo, é bastante fácil assumir que a demissão, está relacionada com motivos de saúde. Provavelmente está, mas no que toca à Apple eu so toma por verdade comunicados oficiais. Ainda p’ra mais ele continua a ser empregado da empresa e passou a ser o presidente do concelho de administração  – vulgo chairman of the board.

Pessoalmente sinto pena deste desfecho. Trata-se do homem que foi a força impulsionadora de tantos produtos diferentes que por si só mudaram várias industrias: O Apple II, o Mac original de 1984, o iMac, o iPod, o iPhone e o iPad entre outros, e portanto é normal que deixe saudades.

Bernie Ecclestone - Detentor dos direitos comercias da F1

Penso é que as pessoas o têm tratado como se ele estivesse morto, o que tendo em conta a falta de noticias sobre o seu estado de saúde não pode de todo ser tido como verdade, e está errado. Mas se pensarmos num outro bilionário bem conhecido, Bernie Ecclestone, que aos 81 anos ainda trabalha como se tivesse 20 ficamos a pensar que secalhar se a saúde de Steve Jobs fosse outra, ele estaria aos comandos da Apple por mais uma década ou duas…

Jack Dorsey - Criador e Fundador do Twitter e CEO da Square

Fico curioso e ansioso por ver o que a Apple fará no futuro sem o seu fundador mais mediático, e sem o seu product guy. Quando olho para o quadro executivo da Apple fico a pensar qual daqueles senhores se ocupará e preocupará com o design e terá a atenção ao detalhe que Jobs tinha e que acabam por tornar todos os produtos da Apple do standart dos respectivos mercados.

Hoje de manhã ocorreu-me: Jack Dorsey tem o perfil indicado não tem?

π

12345 não presta! – Parte 2

Descobri recentemente este post, onde o autor faz uma análise bem interessante das passwords obtidas com os recentes ataques aos sites da Sony.

Os mais interessados podem ler o post inteiro mas vou resumir aqui o que consideram serem os número e conclusões mais importantes.

  • Universo de  40.000 passwords (!);
  • cerca de um terço(1/3) eram palavras de um dicionário(provavelmente nem todas em Inglês);
  • apenas 1% continha caracteres não-alfanuméricos;
  • 93% das passwords tinham entre 6 a 10 caracteres;
De todas as que não “chumbavam” ao ataque de dicionário:
  • ao todo existem 95 caracteres possíveis aceites por praticamente todos os sites, mas a base de dados em questão só tinha 78, o que significa que se todas as passwords fossem exactamente aleatorias cada caracter deveria ter uma probabilidade de ocorrer de 1/78, mas a verdade é que:
  • também chegaram à conclusão de que os números mais populares são o 1,2 e 0;
  • Mais de metade das vezes os números aparecem nas duas ultimas letras da pass;
o resultado disto é que:
Com apenas 20 caracteres descobrem-se 25% das passwords, com 27 caracteres – metade, e com 31 caracteres 80%!
e todas estas passwords não sucumbiram ao ataque de dicionário!
Assim fica exposto mais um dos “truques” que um hacker pode usar para obter passwords sem usar nenhum esquece de brute force.
Mas podemos pensar o que leva as pessoas a usar as passwords que usam. Muitos serviços hoje em dia obrigam pessoas a usar números, maiúsculas e símbolos e é muito mais facil por um “1″ à frente da nossa pass do costume ou qualquer coisa assim. Depois também ninguém gosta de passwords muito compridas e assim obtemos os resultados que se vêm.
Esta análise só foi possível porque a sony armazenava as passwords propriamente ditas e não uma hash, e ataques de brute force só são possiveis quando existem ataques offline. Espero abordar estes tópicos no futuro!

π

Força Robert! szybkiego powrotu do zdrowia Robert!

As primeiras fotografias de Robert Kubica depois do acidente em Itália, estão aqui.

Como é possível ver, os estragos na mão e no braço de Kubica são enormes. Qualquer um gosta deste piloto e assim ainda se fica a torcer mais pela sua recuperação. Imagine-se o que faria com o Renault deste ano!

Fala-se que poderá correr este ano no Brasil. Espero que sim!

Força Robert!

szybkiego powrotu do zdrowia Robert!

π

12345 não presta!

No seguimento do post de há uns dias, queria discutir a importância de ter uma boa password.

Vamos supor que a única maneira que um hacker tem de obter uma determinada password, é com um ataque brute force, isto é, tentando todas as combinações possiveis até acertar. E vamos colocar-nos na pele desse hacker e pensar um pouco sobre os métodos que ele vai usar.

Ele pode com certeza escrever um pequeno script, e começar por tentar: “a“, depois “b“, depois “c” até “z“. De seguida, “aa“, “ab“, “ac” até “az” e por ai adiante, experimentando todas as combinações possiveis até acertar. Mas ninguém faz isso porque demoraria séculos!

Como é que ele faz então?

Existem por essa internet fora, estatisticas e listas das palavras pass mais utilizadas e são essas que vão ser experimentadas primeiro. Coisas como “12345” ou “monkey” são descobertas num abrir e fechar de olhos!

Caso a password do leitor não esteja nessa lista de passwords mais usadas, o atacante vai passar a fazer um “ataque de dicionário”, onde são usadas palavras retiradas do dicionário e experimentadas uma a uma!

Falhando tudo isto, são experimentadas combinações de palavras do dicionário e/ou das mais comuns. Falhando isto, repetem-se os passos acima substituindo letras por caracteres semelhantes como E->3, ou S->$ ou O->0 obtendo por exemplo: “t3$0uro“.

E ainda existem mais “truques” a tentar pelo atacante!

Onde quero chegar com tudo isto é: a unica password segura, considerando um numero fixo de caracteres, é aquela password que obriga o hacker a tentar todas as combinações possiveis, pois a password não existe numa lista ou num dicionário. Por outras palavras, uma password completamente aleatória!

Para quem quiser uma password aleatória para usar, pode ir a:

https://www.grc.com/passwords.htm

π

Seguir

Get every new post delivered to your Inbox.

%d bloggers like this: